COM MARIA, SOMOS POVO DE DEUS, UNIDO PELA ALIANÇA

Devotos da Senhora do Desterro, alegria e paz!

O mês de outubro é marcado pela celebração da Novena e Festa da Rainha e Padroeira do povo brasileiro: a Senhora Aparecida.

A celebração e festa da padroeira se revestiu de significado, pois embora o povo brasileiro esteja vivendo fortemente marcado pela dor da perda das mais de 600 mil vidas ceifadas pela pandemia da COVID-19, neste ano de 2021, proclamamos: “Com Maria, somos povo de Deus, unido pela aliança”.

De que aliança estamos falando? A meu ver, é da aliança que o próprio Deus quis fazer com os nossos pais no paraíso. Adão e Eva tiveram a alegria de viver com intensidade o projeto de Deus em suas vidas. Por causa do pecado, este projeto, esta aliança, foi rompida, foi quebrada.

A pergunta que Deus faz a Adão: “Onde está”? (Gn 2,9), nos faz pensar na dureza do coração do ser humano. Mais propriamente dito, na dureza do nosso coração. Ou seja, todas as vezes que queremos fazer as nossas vontades, quebramos a aliança com Deus.

No texto sagrado do Livro do Gênesis, encontramos a justificativa dada por Adão, diante da pergunta que Deus lhe faz: “onde está”? (Gn 2,9); eis que amedrontado, Adão responde: “ouvi a tua voz no jardim. Fiquei com medo, porque estava nu, e me escondi” (Gn 2,10).

Vejam: Adão dá uma desculpa para Deus. Esconde-se, porque diz estar envergonhado por estar nu. Foi assim que Deus criou o homem e a mulher: nus. Não era preciso roupa, para aquele contexto e época. Na obra da criação, no pacto de aliança que Deus faz com os seus, não pode habitar a maldade, a vergonha.

Uma vez que Ele fez aliança com os nossos primeiros pais no paraíso, embora eles a tenham a quebrado, esta mesma aliança Ele fez conosco, através de Seu Filho Jesus Cristo, que tendo nascido de Maria, nos dá a certeza de que quando abraçamos com alegria o seu projeto de vida, protegido por Ele, sob o olhar materno da Senhora Aparecida, podemos superar o erro, a tentação de quebrar a aliança.

Caros leitores: assim como a Virgem Maria, podemos cantar o Magnificat, pois assim como n’Ela o todo poderoso fez aliança, pela nossa participação na mesa da Palavra e da Eucaristia, Ele continua a fazer, e nos permite renovar a eterna aliança derramada pelo Seu Sangue na Cruz.  

Nas mãos da Mãe Aparecida, Senhora, Rainha e Padroeira do Brasil, entreguemos a nossa vida, e deixemos que o seu manto, azul cor de anil, seja uma certeza de que aqui na terra, fazendo tudo o que o seu Filho nos disser (cf. Jo 2,5), poderemos alcançar a definitiva aliança: a vida eterna!

Rezemos: Senhora Aparecida, o Brasil é vosso. Rainha do Brasil, abençoai a nossa gente. Paz ao nosso povo. Salvação para a nossa pátria. Senhora Aparecida, o Brasil vos ama, o Brasil em vós confia. Senhora Aparecida, o Brasil vos aclama: Salve Maria!

No Espírito de Jesus,

Pe. Márcio Felipe de Souza Alves
Cura da Catedral N. Sra. do Desterro

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

brasao-pb

© 2019 Catedral Nossa Senhora do Desterro – Jundiaí – SP
Desenvolvido por LAB Brasil Comunicação